Siga o Portal do Holanda

Brasil

PM e advogada viram réus por tentar obstruir caso Marielle

Publicado

em

A Justiça do Rio de Janeiro aceitou a denúncia do Ministério Público fluminense (MPRJ) contra o policial militar Rodrigo Jorge Ferreira, o "Ferreirinha" e a advogada Camila Lima Nogueira, segundo apurado pela GloboNews nesta sexta-feira (12).

Segundo um site de notícias do Globo, ambos são suspeitos de integrarem uma organização criminosa que teria tentado atrapalhar as investigações da polícia sobre o assassinatoda vereadora Marielle Franco e do motorista dela, Anderson Gomes.

A denúncia foi apresentada à Justiça pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime (Gaeco) do MPRJ, que confirmou nesta sexta, em nota, ter oferecido a denúncia.

No entanto, "em razão do segredo judicial decretado", o órgão comunicou que não poderia dar mais detalhes sobre o caso.

O Tribunal de Justiça estadual informou, também em nota, que "o processo corre em segredo de justiça". Por isso, diz o texto, a assessoria do tribunal não pode acessar as decisões e despachos do juiz.

A informação de que "Ferreirinha" e a advogada Camila Nogueira passaram à condição de réus foi antecipada pelo UOL e confirmada pela GloboNews.

"Ferreirinha" foi preso no fim de maio durante uma operação da Polícia Civil e do MPRJ para desarticular uma milícia que era comandada por Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica.

Um relatório da Polícia Federal (PF) sobre a investigação das mortes de Marielle e Anderson Gomes apontou o PM Rodrigo Jorge Ferreira, o "Ferreirinha", como responsável por atrapalhar os trabalhos da Polícia Civil do Rio. A existência do documento foi revelada no fim de maio.

Na conclusão, a PF afirmou que o militar criou uma história com a finalidade de confundir as autoridades – e aproveitou a trama para se vingar.

Ferreirinha é ex-aliado de Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica, a quem acusou de tramar o atentado, ao lado do vereador Marcello Siciliano. Ambos sempre negaram envolvimento.

A denúncia do Gaeco contra "Ferreirinha" narrava que o PM foi segurança e motorista de Orlando Curicica, mas se voltou contra o patrão.

Durante meses, Ferreirinha foi considerado a principal testemunha do Caso Marielle. O depoimento dele à Delegacia de Homicídios da Capital sobre o Caso Marielle foi, segundo policiais, uma tentativa de tomar pontos dominados por Curicica.

Em março, o depoimento da advogada de Ferreirinha à PF, Camila Nogueira, que agora também virou ré no processo, afirmou que desconfiava da versão apresentada pelo cliente e que se sentiu usada.

Fametro compra um grande problema

Para compartilhar este conteúdo, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.


Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.