Siga o Portal do Holanda

Variedades

Morto a tiro, ex-governador do ES propôs desarmamento há quase 20 anos

Publicado

em

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ex-governador do Espírito Santo Gerson Camata (MDB) morreu em dezembro de 2018, aos 77 anos, após levar um tiro que o atingiu no pescoço. O crime aconteceu quase 20 anos após ele ter proposto, em 1999, mudança na legislação para desarmar civis em todo o país. Na época, como senador, Camata apresentou o projeto de lei 292/99, que deu origem mais tarde ao Estatuto do Desarmamento. 

Marcos Venicio Moreira Andrade, 66, foi o autor do disparo e confessou o crime. A arma utilizada por ele estava registrada em seu nome, mas com a licença vencida. Com as mudanças propostas pelo decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro na terça (15), ele poderia ter a situação regularizada.

Quando defendeu a restrição das armas, Camata falava sobre uma possível mudança no sistema de segurança pública, que ocorreria ao longo do tempo como um processo natural.

A pesquisadora Rosana Alexandre dos Santos registrou em sua dissertação de mestrado, na Universidade de Brasília, trecho do discurso do ex-senador, na ocasião do início das discussões e votação sobre o desarmamento no país.

"É claro e é necessário que as pessoas que nos veem e nos ouvem saibam que, a partir do dia em que o presidente Lula sancionar o projeto, depois de aprovado pela Câmara, os crimes não vão diminuir no Brasil, mas os que portam armas com a intenção de praticar o crime vão começar a ser cerceados, como ocorreu na Itália. Devagar, eles irão perder as suas armas. Devagar, vão acabar na prisão. E, devagar, se diminui o número de armas em mãos da população e em mãos daqueles que usam a arma com a intenção de praticar delitos e de praticar crimes", afirmou.

Antes da aprovação do desarmamento Camata chegou a ter que mudar sua rotina por episódio em que houve o uso indiscriminado de armas de fogo. No fim da campanha eleitoral em 2002, por exemplo, ele e o senador Paulo Hartung (PSB), que na época concorria ao governo, chegaram a desistir de ir a um comício em Cariacica (região metropolitana de Vitória), depois de uma troca de tiros no local que deixou duas pessoas feridas.

Os desentendimentos entre Andrade e Camata começaram quando o assessor, que trabalhou com o político por quase 20 anos, o denunciou por crimes de corrupção.

Na época Gerson Camata se defendeu no plenário e negou as denúncias. Ele afirmou que o ex-assessor sofria de "distúrbios psiquiátricos" e que as denúncias são uma "falácia, calúnia".

Posteriormente ele processou o ex-assessor, numa ação que chegou a bloquear R$ 60 mil em uma de suas contas bancárias, o que teria motivado a discussão e o disparo contra o ex-governador.

Andrade disse, em depoimento, que foi tirar satisfações do ex-governador ao encontrá-lo em uma rua na Praia do Canto, bairro onde o agressor mora. Após uma discussão verbal, o ex-assessor sacou uma arma e disparou contra o ex-governador.

Em entrevista à imprensa, o secretário da segurança pública do Espírito Santo, Nylton Rodrigues, afirmou que Marcos Venício demonstrou ressentime.

Nesta terça (15), o presidente Jair Bolsonaro assinou um documento que alterou o decreto que regulamenta o Estatuto do Desarmamento, lei federal aprovada em dezembro de 2003 que restringe a posse e o porte de armas no país. Como ressaltou o presidente durante discurso, a medida assinada nesta terça não muda essa lei, visto que alterações no estatuto precisam obrigatoriamente passar pelo Congresso.

BASTIDORES DA POLÍTICA

Ameaça de vaia pode fazer Wilson Lima desistir da 'Bica'

-

Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.

 Siga o Holanda

Amazonas

Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.